12.8.10

Churrascaria

Eu sou um artista covarde. Eu não me embrenho no mato por semanas a fio para tentar encontrar meu eu. No máximo, gasto uma graninha em terapia para despejar palavras tentando aliviar a pressão.

Porque artistas são os que pintam o cabelo de cores que o cabelo não gosta de ser. Artistas são os que tem o tênis que os artistas gostam de usar. Artistas gostam de música que ninguém conhece.

Não devo ser nem artista, só covarde. Eu teria pavor de cortar a minha orelha. Por deus, eu tinha medo de pegar na orelha de plástico que vinha de brinde no pacote de salgadinho.

Eu não vivo intensamente. Eu não brigo com as pessoas, eu não sou excêntrico. Eu não presto pra isso. Não vivo grandes amores, no máximo troco abraços no sofá, com a televisão ligada na novela. Eu gosto de novela.

Eu não sou um escritor. Confesso que tenho preguiça de ler, às vezes, e que de vez em quando prefiro um livro de auto-ajuda a um clássico. Eu não sou alternativo. Eu leio auto-ajuda.

Eu uso expressões como "estou aprendendo a amar a mim mesmo" no dia-a-dia. Eu escuto música brega - não de propósito, pra apontar o dedo e falar "que música brega". É porque eu acho bonito mesmo.

Eu não sou politizado. Eu acredito que somos todos iguais, mas quero ser melhor que os outros. Talvez nisso eu seja artista.

Eu não sou rebelde. Eu quero agradar todo mundo.

Eu escuto os outros por obrigação. Eu não gosto de ver pessoas inteligentes perto de mim, me faz sentir burro. Nem pessoas talentosas. Elas inspiram, mas distraem os outros das coisas que são realmente importantes (os meus interesses, por exemplo).

Eu não quero trabalhar. Os trabalhos são todos inferiores à minha capacidade intelectual. Todos, sem exceção (talvez haja algum trabalho que eu seja incapaz de desempenhar, mas são trabalhos de gente besta).

Como faz pra ficar rico desse jeito?

Suicídio e graça

Morro de inveja de quem sabe contar uma boa piada. Eu sou pior do que uma pessoa que não é engraçada: eu sou uma pessoa que tenta ser engr...